Conceitos digitais inovadores para desenvolver seu negócio na internet!

Blog

Comércio eletrônico cresce 217% na Black Friday

.:: Comércio eletrônico cresce 217% na Black Friday ::.
03/12/2013

Apesar de todas as reclamações, a Black Friday deste ano foi um sucesso de vendas na internet. Segundo dados divulgados pela E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, a data foi responsável por um crescimento nominal de 217%, em relação a 2012, e movimentou R$ 770 milhões, quebrando todos os recordes de faturamento em um único dia.

Para Pedro Guasti, diretor geral da E-bit, os resultados dessa edição aproximam o e-commerce nacional das estatísticas norte americanas. “A Adobe Systems indica que, nos Estados Unidos, as vendas relacionadas à Black Friday movimentaram US$ 1,06 bilhão. O faturamento brasileiro, convertido em dólar, fica em torno dos US$ 330 milhões, o que representa cerca de 30% da receita americana”, explica.

Na última sexta-feira, 1,950 milhão de pedidos foram feitos via internet no Brasil, número cinco vezes maior se comparado a um dia normal. O tíquete médio das compras ficou em R$ 396. A categoria mais vendida foi Telefonia/Celulares, seguida por Eletrodomésticos, Moda & Acessórios, Informática e Eletrônicos, respectivamente.

A previsão inicial, feita no início de novembro, era de que as vendas durante todo o dia gerassem R$ 390 milhões para o e-commerce, mas, às 17h, esse número já tinha sido alcançado. Segundo Guasti, os resultados da Black Friday superaram até mesmo os mais otimistas e vão impactar no Natal.

“O período de compras natalino vai de 15 de novembro até 24 de dezembro. Constatamos que o evento não somente impactou positivamente as vendas na sexta feira, como também nos dias seguintes. Com o décimo terceiro em mãos e os descontos oferecidos, muitas pessoas aproveitaram para antecipar os presentes. O Natal, principal data sazonal do e-commerce, representa entre 15% e 20% do total das vendas do ano. Em 2013, certamente terá um peso maior por causa da Black Friday”, disse.

Fonte: Época Negócios

  • Voltar